Disse Jesus: "Eu sou a luz do mundo: quem me segue, não andará nas trevas, mas terá a luz da vida" LC 8:12

....................................M p D..............................

....................................M p D..............................
Um diálogo entre a Música Popular Brasileira e a Bíblia

Mensagens da Semana

  • - CONIC - Conselho Nacional de Igrejas Cristãs do Brasil - Participe do concurso para ilustrar o cartaz da Semana Nacional de Oração [image: image] ...
    Há 3 anos

quarta-feira, 6 de março de 2013

As mulheres no ministério e no movimento de Jesus, o Cristo

            Jesus buscava todas as pessoas, mas, em especial, as desprezadas e marginalizadas da sociedade, entre as quais também se encontravam as mulheres. Na sociedade patriarcal da época, as mulheres eram consideradas, desde o seu nascimento, propriedade dos homens: do pai, do marido, do cunhado solteiro, se viúva sem filhos, ou  do filho, quando viúva e idosa. Mulheres estéreis eram duplamente desprezadas.  
             Apesar de serem responsáveis pela educação das crianças e a maior parte do trabalho em casa e no campo, as mulheres tinham poucos direitos. Somente  podiam mostrar-se em público com o rosto coberto por um véu. No templo e na sinagoga, sempre permaneciam atrás dos homens ou em lugares separados. Não contavam nas estatísticas daquele tempo: “os que comeram foram cerca de cinco mil homens, além de mulheres e crianças” (Mt 14.21).
             Jesus posiciona-se contra essa sociedade opressora e hipócrita. Anuncia o  Reino de Deus que não admite exclusões. Objetiva uma comunidade de iguais e uma família baseada em relações de afetividade e de serviço mútuos. Nos evangelhos há muitas histórias de mulheres ativas e sábias no ministério e no movimento de Jesus. Eis algumas:

Maria:  mãe e discípula
Maria carrega em seu ventre a criança anunciada e esperada; canta de alegria (Lc 1.26-2.21); acompanha o seu filho desde pequeno (Lc 2.41-52). Encoraja Jesus a realizar o  primeiro milagre (Jo 2.1-12), dando início ao seu ministério público. Está presente nos momentos de sofrimento e cruz de seu filho (Jo 19.25) e é uma discípula ativa no início da Igreja de Jerusalém (At 1.14).

Maria e Marta: discípula e diácona
Maria e Marta recebem em sua casa a visita de Jesus (Lc 10.38-42). Maria senta-se aos   seus pés para ouvir a palavra, numa atitude típica de discípulo. Jesus rompe como a norma dos rabinos que dizia ser preferível queimar a Lei a ensiná-la a uma mulher.
Marta serve como diácona. Confessa a sua fé de forma decidida: “Eu creio que Tu és o Cristo, o Filho de Deus que veio ao mundo” (Jo 11.27). Essa é a confissão central do movimento de Jesus.

Maria de Betânia: unge Jesus
Num gesto profético, Maria de Betânia unge Jesus com óleo precioso,  preparando-o para a sua paixão (Mc 14.3-9; Mt 26.6-13; Jo 12.1-8). Jesus diz: “onde for pregado o Evangelho também será contado o que ela fez, para memória sua” (Mc 14.9).
Mulher samaritana: discute teologia e reconhece o Messias
Não sabemos o nome da mulher samaritana com a qual Jesus se encontra no poço de Jacó (Jo 4.1-30). Apesar de discriminada por ser samaritana, ela dialoga teologicamente com Jesus e o reconhece como Messias, tornando-se sua principal testemunha na região da Samaria.

Viúva cananéia: dignidade e vida
Uma viúva cananéia perde o seu filho (Lc 7.11-17). Sem nenhum amparo, estaria condenada a viver de esmola. Jesus comove-se diante do  seu sofrimento e lhe restitui o filho e, com ele, a dignidade e o sentido de vida.

Mulher sírio-fenícia: argumenta e consegue um milagre de Jesus
Uma muher sírio-fenícia se aproxima de Jesus e pede-lhe que cure sua filha doente (Mc 7.24-30). Inesperadamente, Jesus reage de forma um tanto grosseira; mas a mulher não desiste. Busca argumentos  para alcançar o seu objetivo. Não se importa em ser comparada a cachorros; permanece firme e consegue de Jesus o milagre da cura.

Mulheres junto à cruz: testemunhas da paixão e ressurreição
Na hora da crucificação de Jesus, os discípulos fogem. Mas muitas mulheres permanecem e testemunham a morte de Jesus (Mt 27.55-56; Mc 15.40-41; Jo 19.25-27). São também elas que no domingo vão embalsamar o corpo de Jesus e encontram o túmulo vazio (Mt 28.1-8, Lc 24.1-10, Jo 20.1-10).

Maria Madalena: apóstola dos apóstolos
Maria Madalena tem posição de destaque entre os discípulos de Jesus, por ter sido a primeira testemunha da ressurreição. Ela é, portanto, a “apóstola dos apóstolos” (Jo 20.11-18).

             Essas mulheres também vivenciaram a ressurreição como proximidade viva e corporal de Jesus, recebendo poder para dar continuidade à sua missão. Assim, o movimento e  o ministério de Jesus, o Cristo, continuam presentes entre nós na certeza de que um outro mundo é possível.

Pa. Me. Sonia Gomes Mota - Kassel
Pa. Dra. Claudete Beise Ulrich – Wunstorf



Texto cedido pelas autoras já publicado pela Revista Novo Olhar da editora Sinodal..



Bibliografia:

OSDOL, Judith Van (Orgs). As mulheres e a graça: Releituras bíblicas de mulheres latino-americanas. São Leopoldo: Sindodal; Quito: Clai, 2008.

REIMER, Ivoni Richter. O belo, a fera e os novos tempos. São Leopoldo: Cebi; Petropólis: Vozes, 2000.

SCHOTTROF, Luise. Mulheres no Novo Testamento: exegese numa perspectiva feminista. São Paulo: Paulinas, 1995.

TAMEZ, Elsa. As mulheres no movimento de Jesus, o Cristo. Trad. Beatriz Affonso Neves. São Leopoldo: Clai/Sinodal, 2004.

ULRICH, Carlos Luiz; ULRICH, Claudete Beise. Dia de Maria Madalena – 20.1-2,11-18. In: SCHNEIDER, Nélio; WITT, Osmar (Orgs.). Proclamar Libertação. São Leopoldo: Sinodal, 1998, p. 230-239.




Nenhum comentário:

Postar um comentário

Uma benção antiga.

You Tube